por Pompéia Rural

Fósforo e sua importância

O fósforo (P) é um dos dezesseis elementos essenciais à nutrição das plantas e um dos três macronutrientes primários.
Este elemento apresenta problemas de limitação nos solos por causa da “fixação”, tornando-o indisponível para as plantas. Embora os solos tenham uma certa quantidade de fósforo, uma fração pequena é absorvida pelas culturas diretamente.
O fósforo é um componente vital da célula. Sem fósforo não há vida. Ele tem muitas funções na planta: estimula o crescimento e a formação do sistema radicular no início do desenvolvimento da planta; ele é responsável pelo arranque das plantas; pela maturidade; e ajuda na formação das sementes. Dentro da célula existem funções que são características do fósforo: ele influencia a utilização dos açúcares e amido; é um armazenador de energia; acelera a atividade das enzimas importantes no processo de respiração; ele exerce influência no processo de fotossíntese. O primeiro passo na respiração é a combinação de açúcar e fósforo: é a “fosforilação”.

As plantas jovens absorvem o fósforo mais rapidamente, o que permite um crescimento rápido e intenso das raízes em ambientes com níveis adequados do nutriente. Afirma-se que quando as plantas atingirem 25% da altura total, elas já armazenaram 78% de suas necessidades totais em fósforo. Isto explica porque se recomenda um suprimento adequado de fósforo no momento que elas começam a germinar, particularmente em plantas de ciclo curto.

O segundo grande grupo de compostos de fósforo orgânico são aqueles importantes no metabolismo da planta. Eles são, também, complexos e contêm grandes quantidades de energia; desempenham, por sua vez, uma papel primordial na vida da planta; a energia destes compostos é facilmente transferida de um para outro; isto é relevante na transformação do açúcar em amido no interior da planta. O fósforo, também, é importante na produção de aminoácidos. Os organismos, no seu processo de crescimento, necessitam de proteínas; elas contêm carbono, hidrogênio, oxigênio, e nitrogênio; em muitos casos, podem ocorrer conteúdos de fósforo e enxofre.

Entretanto, no solo, o fósforo aplicado enfrenta sérios problemas devido à “fixação”. Os fertilizantes fosfatados solúveis em água reagem, no solo, com o ferro, alumínio, argilas, matéria orgânica, formando compostos insolúveis não aproveitáveis pelas plantas. Do fósforo aplicado ao solo, a planta aproveita de 15 a 25%; o restante é fixado fortemente pela acidez do solo. Isto explica porque as fórmulas de fertilizantes NPK apresentam o teor relacionado ao fósforo em maior quantidade, quando as plantas o exigem em pequenas quantidades.
Como o fósforo é pouco móvel no solo, ele não sofre com a percolação e as perdas são desprezíveis. Portanto, a erosão é a principal causa de perdas de fósforo contido na matéria orgânica e partículas coloidais.

Fósforo Total

Nas análises químicas de solo convencionais, o teor do Fósforo apresentado ali é referente ao que está disponível na solução.
Mas é possível determinar o fósforo presente no solo, mesmo o indisponível, através de uma análise de fósforo total.
Nessa análise geralmente obtemos valores muito maiores em ppm do que na análise da solução.
Mas o que isso significa?

Cada ppm de Fósforo na análise equivale a 2Kg de P2O5, ou seja 4,6Kg de Fósforo elementar.
É possível verificar em alguns solos uma concentração de mais de 2000 ppm de Fósforo, mas esse elemento não está diretamente disponível para as plantas, pois está retido na matéria do solo.

Disponibilizando Fósforo

Através de pesquisas realizadas em florestas, onde não há interferência humana, que as plantas ali têm uma necessidade de 100ppm de fosfóro ao ano para se manterem vivas, mas em análise de solo se descobriu que apenas 20% disso estava disponível.
O restante do Fósforo era disponibilizado naturalmente à essas plantas através de uma interação direta com microrganismos dos solo que se beneficiam dos foto assimilados enviados às raízes em troca dos nutrientes indisponibilizados no solo.

Entre esses microrganismos se destacam as microrizas arbusculares, responsáveis pela maior parte do fornecimento de Fosfóro às raízes.
Esse fungo, presente naturalmente em todos os tipos de solo, precisa de um ambiente equilibrado para se perpetuar, mas uma vez estabelecido trás inúmeros benefícios às plantas.

Sendo assim, através de um manejo integrado e utilizando de tecnologias de bioativação, é possível acelerar a interação entre as raízes das plantas em pomares e lavouras comerciais é possível atingir altos níveis de disponibilidade de Fosfóro e outros nutrientes, mesmo com menores níveis de adubação quimica.

Esse é o objetivo da Tecnologia Penergetic: trazer vida ao solo, proporcionando maior vitalidade às plantas, e otimizar a atividade fotossintética das plantas, para que elas cresçam e produzam mais, sem deixar de ter moeda de troca com os microrganismos.

Para saber mais sobre esse manejo integrado, adubação verde e da Tecnologia Penergetic, entre em contato conosco.